As Vantagens de Ser Invisível

As Vantagens de Ser Invisível | The Perks of Being a WallflowerMuitos escritores contemporâneos parecem despreparados para contarem uma história que se desenvolve em um grupo juvenil. Os avanços da tecnologia permitem que todos os adolescentes sejam capazes de interagirem entre si com a distância de um clique. Porém, isto não significa que a vida desses indivíduos em processo de formação se resuma a vícios por redes sociais ou aparelhos móveis. Ao contrário de nomes como Lisa Azuelos, realizadora da versão francesa e americana de “Rindo à Toa”, Stephen Chbosky entende este recado, pois “As Vantagens de Ser Invisível” mostra a nada mole vida de um adolescente.

Mesmo que a narrativa de “As Vantagens de Ser Invisível” não transcorra nos dias atuais (a ausência de objetos tão corriqueiros como computadores e celulares indica que ela acontece durante os anos 1990), Stephen Chbosky apresenta os elementos corretos para nos fisgar nesta adaptação do seu próprio romance de tom autobiográfico.

Sem recorrer aos velhos padrões que definem e separam os colegiais populares dos loosers, “As Vantagens de Ser Invisível” foca o introvertido Charlie (Logan Lerman) sendo introduzido a uma nova escola. Ao invés de ser hostilizado pelo simples fato de não ter com quem conversar (o seu melhor amigo cometeu suicídio recentemente), Charlie é rapidamente acolhido pelos meios-irmãos Patrick (Ezra Miller) e Sam (Emma Watson) e o professor de literatura Anderson (Paul Rudd).

Os três serão responsáveis por transformarem Charlie em um adolescente mais preparado para enfrentar alguns dilemas que o perseguem. Homossexual assumido, mas com um relacionamento mantido em segredo com o líder de um time de futebol (Johnny Simmons), Patrick torna Charlie mais sociável. Já Sam é a garota pela qual ele se apaixona perdidamente. O problema é que ela se envolve com outros garotos que não a respeitam. Como confessa em uma ocasião, ela aceita o amor que ela acha que merece. Por fim, Anderson, como bom profissional, trará sabedoria ao jovem ao incentivá-lo a mergulhar na leitura e escrita.

Na relação do protagonista com estes e outros personagens, “As Vantagens de Ser Invisível” levanta temas como amizade, depressão, paixão, orientação sexual e futuro com sutileza. O feito é obtido devido ao gosto apurado de Stephen Chbosky para as escolhas. A escalação dos jovens Logan Lerman, Emma Watson (provando que há vida após “Harry Potter“) e Ezra Miller não poderia ser mais impecável e a nostalgia invade a tela através da seleção de músicas como “Asleep” (“The Smiths”), “Heroes” (David Bowie) e “Temptation” (“New Order”), que traduzem os tormentos internos de Charlie. Imperdível, inclusive para o público que já passou por esta fase tão conturbada da existência humana.

Título Original: The Perks of Being a Wallflower
Ano de Produção: 2012
Direção: Stephen Chbosky
Roteiro: Stephen Chbosky, baseado no livro homônimo de sua autoria
Elenco: Logan Lerman, Emma Watson, Ezra Miller, Nina Dobrev, Paul Rudd, Mae Whitman, Melanie Lynskey, Kate Walsh, Dylan McDermott, Johnny Simmons, Nicholas Braun, Zane Holtz, Reece Thompson, Julia Garner, Erin Wilhelmi, Adam Hagenbuch, Owen Campbel, Brian Balzerini, Tom Kruszewski, Rick Dawson, Emily Marie Callaway e Tom Savini

Anúncios

9 Respostas para “As Vantagens de Ser Invisível

  1. “As Vantagens de ser Invisível” tem sido bastante elogiado. Ainda não conferi este filme, mas espero ter a mesma chance. A história dele parece ser bem interessante e os nomes envolvidos no elenco chamam a atenção.

  2. Imperdível mesmo, Alex. Seu ótimo texto soube condensar tudo de maravilhoso que acontece ao longo da projeção. AS VANTAGENS DE SER INVISÍVEL, não sei se sabe, é o meu filme favorito de 2012. Nenhum me tocou tão profundamente. Um clássico instantâneo sobre a adolescência – exatamente como você diz, ideal para quem passa ou já passou por esta conturbada fase.
    Abraço!

  3. Adorei o filme. E, quem diria, Emma Watson é boa atriz. Digo, fora do papel de Hermione. Não lembrei nunca da personagem de “Harry Potter” vendo “As Vantagens de Ser Invisível”. Ela ilumina a tela. E o filme é o mais próximo que teríamos de um John Hughes nos dias de hoje.

  4. Pingback: Ponto Crítico – Out/12 | Cine Resenhas·

  5. Pingback: Melhores de 2012 – Ponto Crítico |·

  6. Pingback: Melhores de 2012 – Indicados | Cine Resenhas·

  7. Pingback: Melhores de 2012: Roteiro Adaptado | Cine Resenhas·

  8. Pingback: Melhores de 2012: Elenco | Cine Resenhas·

  9. Pingback: Melhores de 2012: Ator Coadjuvante | Cine Resenhas·

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s