Pronta Para Amar

Basta surgir alguma história onde o personagem central descobre ter algum câncer terminal para encararmos com pouco entusiasmo o que vem a seguir. Afinal, é raro algum roteiro se esquivar dos velhos padrões, que incluem protagonistas em busca da realização de todos os seus desejos ainda pendentes e permitir que o fim de sua existência seja mais suportável para aqueles que os cercam. “Pronta Para Amar” apresenta esses vícios, mas o que faz a diferença aqui é o tom usado para narrar o drama de Marley.

Interpretada com enorme carisma por Kate Hudson, esta bela jovem é daquelas que encaram a vida com certa libertinagem, seja no trabalho ou nos relacionamentos. Uma consulta com o doutor Julian Goldstein (o mexicano Gael García Bernal) faz o seu mundo desmoronar: descobre ter um câncer em estágio irreversível. Por mais que Marley tente processar a notícia com bom humor, as pessoas que a cercam não conseguem encarar a situação delicada com indiferença.

Tendo estreado como diretora de longa-metragem em 2004 com o extraordinário e difícil “O Lenhador”, Nicole Kassell lida agora com uma trama muito mais leve preservando o talento apresentado em seu debut. Excelente diretora de elenco, Kassell faz bom proveito do elenco de apoio, que inclui Whoopi Goldberg fazendo o papel de Deus e Peter Dinklage surpreendentemente charmoso como um gigolô. Mas seu grande acerto é mesmo a junção de humor e drama, direcionando “Pronta Para Amar” para um desfecho terno e, dependendo do seu emocional, de fazer recorrer a uma caixa com lenços.

Título Original: A Little Bit of Heaven
Ano de Produção: 2011
Direção: Nicole Kassell
Roteiro: Gren Wells
Elenco: Kate Hudson, Gael García Bernal, Kathy Bates, Lucy Punch, Rosemarie DeWitt, Romany Malco, Treat Williams, Alan Dale, Johann Urb, Steven Weber, Beau Brasseaux, Peter Dinklage, Jaqueline Fleming, Monica Acosta e Whoopi Goldberg
Cotação:  3 Stars

Anúncios

7 Respostas para “Pronta Para Amar

  1. Realmente, os filmes que seguem esse tipo de roteiro não conseguem fugir dos clichês. Mas, eu me emocionei muito assistindo a este filme, especialmente porque ele não faz concessões em busca de um final feliz.

  2. Pingback: 50% « Cine Resenhas·

  3. Pingback: Retrospectiva 2011 « Cine Resenhas·

  4. Pingback: Resenha Crítica | 50% (2011) - Cine Resenhas·

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s