Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário

Personagens esquizofrênicos geralmente servem de meros objetos para roteiristas ansiosos em pregarem peças no espectador. Os desastrosos “Ilha do Medo” e “Número 23” são apenas dois dos vários exemplos recentes. Infelizmente, o número de contadores de histórias que fazem um retrato autêntico de um esquizofrênico é muito pequeno. O americano Lodge Kerrigan arrisca-se e se sai muito bem no independente “Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário” no registro que faz de seu protagonista.

Interpretado por Damian Lewis (do seriado “Homeland”), William Keane parece refazer detalhadamente o episódio numa estação rodoviária no qual sua filha desapareceu. Muito mais interessante que desvendar o que aconteceu à pequena é compreender o que se passa na cabeça de Keane, um homem visivelmente abatido, com ações contraditórias e transtornos graves de humor. Hospedando-se temporariamente em um hotel barato, Keane cria laços afetivos muito fortes ao conhecer a sua vizinha Lynn (Amy Ryan) e especialmente sua filha Kira (Abigail Breslin).

Lodge Kerrigan pôde criar ambientes quase claustrofóbicos com a forma que filma o elenco central, defendido por performances excelentes de Damian Lewis, Abigail Breslin e Amy Ryan. Foi o melhor meio encontrado para o realizador dar ênfase nas emoções tumultuadas de Keane. É um ousado estudo de personagem que definitivamente não agradará um público muito vasto, como demonstra o atraso de seis anos para a chegada de “Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário” em DVD em nosso país. Por outro lado, quem se arriscar será recompensado por uma experiência válida.

Título Original: Keane
Ano de Produção: 2004
Direção: Lodge Kerrigan
Roteiro: Lodge Kerrigan
Elenco: Damian Lewis, Abigail Breslin, Amy Ryan, Liza Colón-Zayas, John Tormey, Brenda Denmark, Ed Wheeler, Christopher Evan Welch, Yvette Mercedes, Chris Bauer, Lev Gorn, Frank Wood e Tina Holmes
Cotação: 3 Stars

Anúncios

3 Respostas para “Esquizofrenia – Entre o Real e o Imaginário

  1. Assisti a este filme quando ele ainda nem tinha esse nome nacional. “Keane” vale pela atuação do Damian Lewis, que é sensacional. E pela chance de ver Amy Ryan antes de ela estourar com “Medo da Verdade”.

  2. Pingback: Retrospectiva 2011 « Cine Resenhas·

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s