Esposa de Mentirinha

As constantes colaborações do cineasta Dennis Dugan com o comediante Adam Sandler são daquelas que não entusiasmam ninguém. Afinal, desde “Um Maluco no Golfe” Dennis Dugan conduz as mesmas piadas através de um intérprete que jamais se reinventa. A sorte é que em “Esposa de Mentirinha” a parceria finalmente surte algum efeito positivo. A razão é a presença de Jennifer Aniston, pois é um raro momento onde Adam Sandler protagoniza uma comédia com um nome menos habitual (ao contrário da trupe do extravagante “Gente Grande”, por exemplo). Assim, “Esposa de Mentirinha” é um “meio a meio”: não tem todo aquele açúcar das fitas protagonizadas por Jennifer Aniston ao mesmo tempo que os escrachos a cargo de Adam Sandler são mais moderados.

Danny Maccabee (Adam Sandler) é um cirurgião plástico que recorre a um truque aprendido em seu noivado: conquistar as mais belas garotas com a história de que é um homem casado que passa todos os horrores inimagináveis nas mãos da esposa. A mentira sempre funcionava até conhecer a jovem Palmer (a modelo americana Brooklyn Decker, em seu primeiro papel para cinema), que imagina que Danny não passa de um sujeito desonesto motivado a pular a cerca com qualquer beldade. Apesar da diferença de idade, Danny se apaixonou pela simpática Palmer e está decidido em conquistá-la, nem que para isto tenha que inventar inúmeras novas mentiras, como apresentar a sua secretária Katherine (Jennifer Aniston) como sua detestável esposa. Claro que Katherine, uma mãe solteira, aproveitará a oportunidade para subornar seu chefinho, seja com a renovação de seu guarda-roupa ou mimos para os seus dois filhos, Maggie (Bailee Madison) e Michael (Griffin Gluck).

Com esta premissa, “Esposa de Mentirinha” encaixa-se instantaneamente no modelo de comédia fácil, aquele onde não se recorre a muitos meios para criar situações hilariantes. E isto inclui atropelar qualquer indício de complexidade e coerência. A produção é caríssima (oitenta milhões de dólares) e mesmo assim não há um diretor de fotografia competente para transformar o já deslumbrante Havaí (que serve de locação para a comédia) em algo superior a um cartão-postal insosso. Já sentido é o que não existe na preferência de Danny, que na maior parte do tempo direciona seus olhares para Palmar quando a própria Katherine, mãe dedicada, carismática e dona de um corpão violão, é negligenciada.

A outra face da moeda ao menos é muito mais promissora, realmente hilariante. A estadia no Havaí só traz mais confusões para o protagonista e também para Katherine. Isto porque ao aproveitar o clima ensolarado, Katherine acaba revendo Devlin Adams. Nicole Kidman é quem faz esta rival número um de Katherine e é incrível como esta participação especial da australiana engrandece a comédia, revelando-se uma surpreendente atriz que sabe rir de si mesma. A pequena Bailee Madison é outro achado, em um papel de aspirante a atriz teatral com forçado sotaque britânico – é engraçadíssimo quando a pequena admite em um momento descontraído que a coisa mais triste em sua vida é ver Judi Dench sem um Oscar de melhor atriz principal. Há outros momentos bem divertidos que poderão ser curtidos caso os pecados de “Esposa de Mentirinha” possam ser perdoados. É pegar ou largar.

Título Original: Just Go With It
Ano de Produção: 2011
Direção: Dennis Dugan
Roteiro: Allan Loeb e Timothy Dowling, baseado no roteiro de “Flor de Cactus”, de I.A.L. Diamond, e na peça escrita por Abe Burrows, Jean-Pierre Grédy e Pierre Barillet
Elenco: Adam Sandler, Jennifer Aniston, Brooklyn Decker, Nick Swardson, Bailee Madison, Griffin Gluck, Kevin Nealon, Rachel Dratch, Minka Kelly, Allen Covert, Dan Patrick, Dave Matthews e Nicole Kidman
Cotação: 3 Stars

11 Respostas para “Esposa de Mentirinha

  1. Concordamos em relação à participação de Nicole Kidman (ela se revela uma comediante de primeira, alguém que sabe rir de si mesma) e em relação à menina Bailee Madison, que é talentosíssima. Um achado MESMO!!! E eu confesso que fiquei surpreendida com o quanto que me diverti com esse filme. Virou meu guilty pleasure total! rsrsrs

  2. Pingback: Não Tenha Medo do Escuro « Cine Resenhas·

  3. Pingback: Retrospectiva 2011 « Cine Resenhas·

  4. Pingback: Indicados ao Framboesa de Ouro 2012 « Cine Resenhas – 5 Anos·

  5. Pingback: Vencedores do Framboesa de Ouro 2012 « Cine Resenhas – 5 Anos·

  6. Pingback: Cada Um Tem a Gêmea Que Merece | Cine Resenhas·

  7. Pingback: 10 Piores Filmes de 2012 | Cine Resenhas·

  8. Pingback: Cine Resenhas | Resenha Crítica | Cada Um Tem a Gêmea Que Merece (2011)·

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s