Contatos de 4º Grau

Contatos de 4º Grau | The Fourth KindNo início deste ano tive a oportunidade de ingressar uma oficina de vídeoarte que acontece de semestre em semestre no município onde moro. Para quem já teve a oportunidade de conferir alguns trabalhos e discuti-los em uma mesa redonda sabe que pouco importa uma avaliação sobre aquilo que acabou de ser contemplado. Uma vídeoarte não se resume a uma experiência boa ou ruim, mas na reflexão que ela gerará para qualquer um. Diria que foi o mesmo efeito que me provocou “Contatos de 4º Grau”, um longa-metragem, que fique bem claro. Em sua segunda realização, Olatunde Osunsanmi (cujo primeiro filme, o péssimo “A Caverna do Medo”, está disponível em DVD no Brasil) aproveita também para quebrar regras. Assim como a vídeoarte permite.

“Contatos de 4º Grau” faz uso de muitos artifícios audaciosos. Em muitos instantes a tela é repartida em duas. No lado direito, imagens supostamente reais; do esquerdo, a sua respectiva encenação. Há ainda trucagens no áudio e outras mais de montagens que conferem veracidade aos depoimentos da doutora Abbey Tyler. No início da década passada ela prestou depoimentos para o próprio diretor Olatunde Osunsanmi, onde diz que foi abduzida por alienígenas, o contato de quarto grau, e que eles levaram a sua filha cega sem jamais devolvê-la. Além de incorporar Abbey Tyler, Milla Jovovich se apresenta no início do filme para revelar ao público as informações que serão compartilhadas.

A intenção de Olatunde Osunsanmi é fazer o espectador se questionar sobre a existência de outra vida além da nossa e ele convence tão bem com suas imagens de arquivo até então confidenciais que é impossível não “googlear” algo a respeito. Crente das possibilidades existentes dentro do gênero, “Contatos de 4º Grau” consegue ir muito além de registros como “A Bruxa de Blair” e “Atividade Paranormal” ao por todas elas em prática. Se há falhas na encenação ou ainda de que acabamos de cair em uma farsa não há importância. O que deve ser considerado é que as narrativas, geralmente as sobrenaturais, jamais encontram limites para deixar de manipular a plateia e, consequentemente, deixá-la incômoda após a sessão.

Título Original: The Fourth Kind
Ano de Produção: 2009
Direção: Olatunde Osunsanmi
Elenco: Milla Jovovich, Will Patton, Elias Koteas, Charlotte Milchard, Hakeem Kae-Kazim, Mia McKenna-Bruce, Raphaël Coleman, Daphne Alexander, Alisha Seaton, Enzo Cilenti, Corey Johnson e Olatunde Osunsanmi
Cotação: 4 Stars

Anúncios

8 Respostas para “Contatos de 4º Grau

  1. Apesar de ter gostado das tais trucagens no áudio, achei que a montagem conferiu ao filme uma frieza muito grande. Não houve qualquer envolvimento por minha parte. Acho que o filme tenta provar tanto que suas gravações são reais que ocorre o contrário. Dou 2 estrelas.

  2. De todos esses filmes que tentam persuadir os desavisados eu prefiro o japonês Noroi, que é mais interessante. Esse Contatos do 4° grau achei uma bobagem sem tamanho e Milla Jovovich poderia ter ficado de fora desse filme. Talvez por estar saturado com esses filmes -documentos, esse ficou bem abaixo da média.

  3. Nem gostei tanto quanto você, mas – de fato – acho que eles souberam mesclar o ‘real’ com a ‘ficção’ de uma forma bem legal e que me proporcionou certa desconfiança de que tudo aquilo era realmente real. Enfim, aho que durante o filme, fui sim manipulado e quase cheguei a acreditar em tudo. rsrs

  4. O trailer deste filme é uma das coisas mais trashes já produzidas. Uma coisa horrível! Mas, teu texto me deixou surpreendida. Assistiria só para ver se ele não é tão trash quanto eu pensava! :)

  5. Pingback: Tweets that mention Contatos de 4º Grau | Cine Resenhas -- Topsy.com·

  6. – Wally, já eu achei o filme com uma proposta muito interessante, talvez a mais impressionantes e assustadoras que vi dentro do gênero recentemente.

    – Marcelo, li o seu comentário a respeito desta produção no Filmow. Um dia verei para matar a curiosidade. E Milla Jovovich nunca erra, tá?

    – Luis, que bom, fomos dois. Há sequências supostamente reais tão perturbadoras que eu fiquei de boca aberta.

    – Kamila, trash aonde? E tenho certeza de que você detestará o filme.

  7. Pingback: Melhores de 2010 – Indicados « Cine Resenhas·

  8. Pingback: Melhores de 2010: Montagem « Cine Resenhas·

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s